ARIPUANÃ, Sábado, 08/05/2021 -

NOTÍCIA

Campanha 'Quebre o Ciclo' contará com apoio de Prefeitura e TV Centro América

O Poder Judiciário de Mato Grosso contará com duas parcerias importantes para divulgação da campanha de combate a violência contra as mulheres

Data: Terça-feira, 04/05/2021 07:39
Fonte: Por Prefeitura de Cuiabá

Ações efetivas como o fortalecimento das redes de proteção e criação de políticas públicas para o enfrentamento da violência doméstica contra a mulher são objetivos almejados pela campanha “A vida recomeça quando a violência termina: quebre o ciclo”. Além disso, mostrar que a Justiça estadual está ao lado das mulheres vítimas de violência.

A presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargadora Maria Helena Póvoas destacou a soma de esforços e ressaltou a relevância da parceria com a TV Centro América e com a Prefeitura de Cuiabá, para que as mulheres entendam a importância de romper o ciclo da violência, seja ela qual for.

“Precisamos somar esforços e tenho certeza de que será uma bela parceria em prol de inúmeras mulheres. Temos conosco também os juízes das varas especializadas que convivem com essa questão diariamente e têm um olhar diferenciado, pessoas com uma grande sensibilidade que conduzem varas tão delicadas como essas. Além disso, temos parceiros como a Polícia Civil, Polícia Militar, Secretaria de Segurança e com certeza colheremos bons frutos com esse movimento em prol das mulheres”, comentou a desembargadora.

Números: Uma média de seis mulheres é assassinada todos os meses em Mato Grosso, vítima especificamente de feminicídio, de acordo com dados da Secretaria de Estado de Segurança Púbica (Sesp). Em 2020, Mato Grosso registrou 65 feminicídios, valor 67% a mais que em 2019, quando foram notificados 39. Para impedir que esses números cresçam ainda mais em 2021, é necessário que a mulher denuncie as agressões sofridas.

“As mulheres não podem se calar diante da violência, elas precisam se rebelar e não ter medo de denunciar o seu agressor. Precisam expor aquela situação que lhe foi imposta de que ela é uma pessoa frágil. Ao denunciar, elas precisam saber que a Justiça está sempre a seu lado. Só assim vamos diminuir esses números de feminicídio”, explica a desembargadora Maria Helena Póvoas.
 

Uma das respostas do Judiciário a essas denúncias são as medidas protetivas, conjunto de determinações impostas ao agressor para que ele se afaste da vítima, garantindo, assim, a integridade física e mental da mulher. Somente em 2020, nas quatro maiores cidades de Mato Grosso (Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Várzea Grande) foram expedidas 15.555 medidas protetivas pela Justiça estadual e em 2019 foram 15.592 medidas. Esses números são maiores que nos anos de 2018, quando foram determinadas 14.089 medidas protetivas e 2017, quando houve 13.602.

A Prefeitura de Cuiabá, ao tomar conhecimento desta campanha do Poder Judiciário, optou por apoiar a iniciativa, pois entende que a violência contra a mulher exige um trabalho integrado entre as instituições e medidas de enfrentamento a questão.