ARIPUANÃ, Sábado, 14/12/2019 -

NOTÍCIA

Namorado escreve carta de despedida para engenheira agrônoma morta com tiro na nuca

Data: Segunda-feira, 18/11/2019 19:20
Fonte: Olhar Direto/ Fabiana Mendes

O namorado da engenheira agrônoma Júlia Barbosa de Souza, de 28 anos, assassinada com um tiro na nuca, em Sorriso (a 420 quilômetros de Cuiabá), Vítor Giglio, escreveu um carta de despedida para a vítima, que foi veiculada no Fantástico, na noite de domingo (17). O assassino confesso, Jackson Furlan, de 29 anos, se encontra preso no Centro de Ressocialização  do Município.

“Foi passar o meu aniversário de 31 anos e não voltou mais para ver seus familiares, devido a uma pessoa que no mínimo posso chamar de desequilibrada, ceifou a vida dela com um tiro sem ter nenhum motivo. Te amo para sempre Júlia. Serás sempre uma bela lembrança”, diz um trecho a carta escrita por Vítor.

De acordo com a reportagem, o casal havia se conhecido em Cornélio Procópio, interior do Paraná, onde Júlia ainda morava com a família. No final de semana do crime, ela teria vindo para Sorriso comemorar o aniversário do namorado. Na ocasião, também iria fazer uma entrevista de emprego em Sorriso.

"Jackson jamais colocou os pés em uma delegacia de polícia antes desses fatos. Uma pessoa conhecida na sociedade, pessoa de bem que infelizmente cometeu um erro, o erro de sacar uma arma e disparar", disse o advogado de defesa do acusado, Mathis Haley.

Alguns minutos antes da perseguição no trânsito que resultou em morte, Júlia e o namorado haviam comprado uma barra de chocolate e uma lata de refrigerante, na conveniência de um posto de combustíveis. Jackson e a esposa saiam de um bar na mesma avenida. A defesa diz que ele havia consumido grande quantidade de bebida alcoólica naquela madrugada.

O encontro entre vítima e suspeito aconteceu 1h39, durante um engarrafamento. Jackson se irritou ao tentar fazer uma ultrapassagem e não conseguir. "Isso foi o suficiente para irritar o suspeito. Dali para frente, o suspeito começou uma perseguição a vítima. A vítima conseguiu se desvencilhar do suspeito em um determinado momento, tem uma imagem que mostra isso. A gente percebe nas imagens, que a vítima a todo momento tenta fugir do suspeito. Dar um tiro em direção a cabeça da vítima, você não quer assustar, você quer matar ela", disse o delegado responsável pelo caso,  André Ribeiro.

Em depoimento à polícia, a esposa do acusado contou que ele tem uma personalidade muito explosiva e agressiva, e que estaria fazendo consumo exagerado de álcool. O inquérito deverá ser finalizado nos próximos dias. 

Confira a reportagem completa AQUI.

O caso
 
Segundo a Polícia Civil, Júlia e o namorado saíram de uma conveniência, na Avenida Natalino João Brescansin, por volta da 01h40 da manhã, no último dia 9. Eles passaram a ser perseguidos depois de ultrapassarem um desconhecido, em uma caminhonete branca. O motorista buzinava o tempo todo para que o namorado de Júlia parasse.

Entretanto, o casal seguiu, quando na avenida Brasil, perto do Hospital 13 de Maio, o suspeito deu um tiro que acertou a nuca da vítima. Júlia foi levada para o hospital, porém não resistiu aos ferimentos e foi a óbito. Após efetuar o disparo, o suspeito fugiu sentido a rodovia MT-242.