NOTÍCIAS

Mulheres sauditas comemoram fim de proibição de conduzir automóveis

"A Arábia Saudita jamais será a mesma", celebrou uma ativista

27/09/2017
Fonte: por REUTERS FTP

As mulheres da Arábia Saudita acordaram com a notícia de um decreto real que permitirá que elas conduzam automóveis a partir do ano que vem — e algumas já estavam atrás do volante nesta quarta-feira (27), embora as carteiras de habilitação ainda demorem nove meses para serem emitidas.

 

"A Arábia Saudita jamais será a mesma. A chuva começa com uma única gota", disse Manal al-Sharif, que foi presa em 2011 depois de um protesto, em um comunicado publicado na internet.

 

Vídeos online mostraram um punhado de mulheres dirigindo de terça para quarta-feira, já que o decreto do rei Salman foi anunciado na noite de terça-feira (26).

 

"Queria poder traduzir meus sentimentos neste momento. Sinto que ninguém além de nós pode entendê-lo plenamente", disse Abeer Alarjani, de 32 anos, que planeja começar a fazer aulas de direção neste final de semana.

 

"Agora finalmente ousarei sonhar com ainda mais."

 

A medida representa um grande rompimento com as leis e ditames morais aos quais as mulheres estão sujeitas no reino muçulmano conservador. O sistema de guarda masculina exige que as mulheres tenham a aprovação de um parente homem para tomar decisões relativas a educação, emprego, casamento, planos de viagem e até tratamento médico.

 

A Arábia Saudita, o berço do Islã, vem sendo muito criticada por ser o único país que ainda impede suas cidadãs de dirigir.

 

O decreto do rei Salman encerra uma tradição conservadora vista por ativistas de direitos humanos como um emblema da repressão às mulheres.

 

Acredita-se que ele favorecerá o príncipe da coroa Mohammed bin Salman, de 32 anos, que chegou ao ápice do poder no reino em três curtos anos com um programa de reformas domésticas ambicioso e uma política externa assertiva.

 

Uma reação contida do poderoso clero saudita, que apoiou a proibição durante muito tempo, deu a entender que a divisão de poder entre a dinastia Al Saud e o establishment religioso wahabita pode estar se inclinando de forma decisiva a favor da realeza.

 

Muitos sauditas mais jovens veem a ascensão do príncipe Mohammed como um indício de que sua geração está ocupando uma posição central no comando de um país cujas tradições patriarcais fizeram do poder o habitat dos mais velhos e que impediram o progresso das mulheres.

 

Comentários:




TERMOS E CONDIÇÕES DE USO
Nome:
Email:
Endereço:
Comentário:

Facebook