NOTÍCIAS

Família de agente morto em motim em MT deve ser indenizada em R$ 100 mil

Wesley da Silva morreu depois ser feito refém por um detentos em presídio no ano de 2011. Pagamento foi determinado pelo juiz Agamenon Alcântara Moreno Júnior.

19/05/2017
Fonte: G1 MT
Agente penitenciário foi morto durante motim em 2011 (Foto: TVCA/Reprodução)

Agente penitenciário foi morto durante motim em 2011 (Foto: TVCA/Reprodução)

 

A família do agente penitenciário Wesley da Silva, de 24 anos, morto dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá, no dia 20 de junho de 2011, deve receber indenização de R$ 100 mil, conforme decisão da Justiça. Wesley foi feito refém por um detento e foi morto após ser ferido por um golpe de arma artesanal, de acordo com o laudo divulgado à época pelo Instituto Médico Legal (IML).

 

A indenização por danos morais foi determinada pelo juiz Agamenon Alcântara Moreno Júnior, da 3ª Vara Especializada de Fazenda Pública e disponibilizada no Diário da Justiça Eletrônica (DJE) que circula nesta sexta-feira (19).

 

Na sentença, o magistrado condena o estado a pagar R$ 100 mil em parcela única à família do agente prisional. O valor deve ser acrescido de juros desde o evento danoso, pelo percentual da caderneta de poupança “até o efetivo pagamento”.

 

Na ação, a mãe de Wesley, Dirce Maria da Silva, havia requerido indenização no valor de R$ 283 mil e o pagamento de uma pensão mensal no valor de R$ 886, equivalente à metade dos rendimentos do agente. O último pedido, porém, foi negado.

 

O motim

O motim ocorreu quando os presos dos Raios 2, 3 e 4 deixavam as celas para serem atendidos pela Defensoria Pública e pelo setor clínico da unidade prisional. Um grupo de 25 detentos, iniciou o motim no corredor central da unidade e fez refém três agentes, entre eles, Wesley Santos, que morreu na ocasião.

 

No confronto com policiais que faziam a guarda do local e tentaram conter o motim, um detento também acabou morto.

Comentários:




TERMOS E CONDIÇÕES DE USO
Nome:
Email:
Endereço:
Comentário:

Facebook