ARIPUANÃ, Sábado, 22/09/2018 -

NOTÍCIA

Ex-prefeito condenado a 34 anos de prisão por por estupros é preso

Data: Quarta-feira, 13/06/2018 17:35
Fonte: Gazeta Digital

O ex-prefeito de Dom Aquino (166 km ao Sul de Cuiabá), Eduardo Zeferino, 63, condenado a 34 anos e 6 meses de prisão por estupro de vulnerável contra 5 crianças, se apresentou na 1ª Delegacia da Polícia Civil de Rondonópolis (212 km ao Sul da Capital), acompanhado de advogado na tarde desta terça-feira (12). Assim, os policiais cumpriram o mandado de prisão preventiva contra o condenado que estava foragido desde novembro de 2016.

Divulgação 

O processo relativo aos estupros das vítimas, que na época dos fatos tinham idades entre 7 a 11 anos, corre em sigilo. Após ser preso, o ex-prefeito passou por audiência de custódia e foi encaminhado para a Penitenciária Major Eldo Sá Corrêa, conhecida como Mata Grande, em Rondonópolis.

O julgamento de Mário Zeferino foi presidido pela juíza  Maria Lúcia Prati, em maio de 2015. Os crimes de estupros imputados ao ex-prefeito vieram à tona em 2010. Após as denúncias, ele chegou a ser preso no ano seguinte em decorrência de mandado de prisão expedido no Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Todas as meninas eram moradoras de Dom Aquino.

Na época da condenação, o advogado que representava o réu, Paulo Humberto Budóia, disse que iria recorrer da sentença, pois segundo ele, o acusado não teria tido direito de defesa e houve um ‘massacre judicial’ na avaliação da defesa. Atualmente, Budóia não representa mais o ex-prefeito. Sua defesa foi assumida pelo advogado Tales de Passos Almeida. O Gazeta Digital não conseguiu contato com o atual defensor de Eduardo Zeferino para comentar sobre a prisão. 

Entenda o caso

No ano de 2010 o Ministério Público do Estado (MPE) entrou com o recurso contra ele, devido ao suposto aliciamento de menores supostamente ocorrido anos antes. Eduardo foi preso 8 meses depois da denúncia.

Após a denúncia, o ex-prefeito de Dom Aquino ficou um mês preso em uma cela simples na Polinter, em Cuiabá, já que não possuía curso superior