ARIPUANÃ, Quarta-feira, 23/05/2018 -

COLUNAS

Tudo muda, tudo passa

Data: Quarta-feira, 30/04/2014 00:00
Fonte:


            No artigo anterior resumiu-se os ciclos civilizatórios anteriores até a chegada a era eletrônica que globalizou o mundo no fim dos anos 1990. As comunicações foram a primeira das maiores transformações da civilização humana, resumindo o mundo a uma aldeia global, sem fronteiras.


            Com isso mudaram todas as metodologias das vivências humanas, desde o modo de se fabricar produtos, de influências sobre as pessoas através de uma mídia globalizada e amplificada. No lugar dos jornais de papel, os milhares de noticiosos através da internet, os sites com todas as gamas de informações, e mais recentemente duas ferramentas que detonaram tudo: as redes sociais tipo facebook, e o o google como site de pesquisas universalizado.


            Se as pessoas e os mercados se globalizaram, uma simples compra através do cartão de crédito tornou-se uma decisão pessoal e uma corriqueira operação eletrônica com duração de alguns segundos. Abastecer o carro no posto de combustível é cada vez mais uma operação de rede. Do mesmo modo, uma cirurgia médica associa a perícia profissional a uma ferramenta eletrônica de alta precisão.


            Os canais de televisão aberta perdem cada dia mais o sentido informativo e são substituídos pelos canais abertos e estes por ferramentas da internet com o youtube com bilhões de possibilidades de áudio e vídeo, e canais de filmes e documentários por assinatura de acesso.


            Em pouco tempo não teremos mais nenhum canal de informação coletiva que de algum modo não esteja casado com a rede mundial de computadores, com direito a vídeo, imagem e conversação. Terá acabado definitivamente o isolamento individual que tanto marcou os seres humanos ao longo da civilização. Redes como o whatsApp e o Instagran, nos telefones celulares tornam qualquer ser humano um receptor e um produtor multimídia, capaz de receber e de gerar conteúdos individuais com amplo acesso coletivo. Que mundo será esse? Perguntaria angustiado o leitor. Um mundo eletrônico, talvez seja a melhor resposta.


            Será o mundo em que nenhum dogma, aquelas verdades absolutas que antes duravam gerações, resistirá a mais do que alguns segundos. Ninguém dominará ninguém pela força de monopolizar informações. Pais não controlarão filhos, escolas não terão salas de aula, hospitais não terão consultórios, automóveis, aviões e todos os meios de transporte serão reinventados. A gestão da política e dos Estados terá que ser reinventada num mundo de comunicações em rede, perfeitamente horizontais.


            Como será a relação de produção e de consumo entre o planeta, entre as pessoas e as relações da vida contemporânea futura? Tema de amanhã.


Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

onofreribeiro@terra.com.br   www.onofreribeiro.com.br



Autor:
Sobre: